Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos

PortuguêsEnglishFrançaisEspañolItaliano简体中文

NOTÍCIAS

Julho 23rd, 2022

Á𝐆𝐔𝐀 𝐕𝐎𝐋𝐓𝐀 𝐀 𝐉𝐎𝐑𝐑𝐀𝐑 𝐓𝐑Ê𝐒 𝐀𝐍𝐎𝐒 𝐃𝐄𝐏𝐎𝐈𝐒 𝐍𝐀 𝐕𝐈𝐋𝐀 𝐃𝐄 𝐐𝐔𝐈𝐒𝐒𝐀𝐍𝐆𝐀

O Sistema de Abastecimento de Água da Vila-Sede do Distrito de Quissanga, na Província de Cabo Delgado, voltou a funcionar cerca de três anos depois de ter paralizado devido a ataques terroristas nesta parcela do país. A reabertura da infra-estrutura, que custou cerca de Quatro Milhões de Meticais, foi testemunhada no sábado, 23 de Julho, pela vice-ministra das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, Cecília Chamutota.

A principal fonte de fornecimento de água a Quissanga deixou de operar em Março de 2019, depois dos ataques terroristas à vila-sede, que destruíram parcialmente a infra-estrutura. A reposição do sistema consistiu na substituição de cerca de 20 quilómetros da conduta adutora, reequipamento de estações elevatórias e de tratamento.

No campo de captação, que dista cerca de 25 quilómetros da vila-sede, dos três furos abertos, dois estão funcionais e têm capacidade de dar água a 8862 habitantes, 5973 dos quais da vila-sede, 1128 do posto administrativo de Mahate e 1761 da aldeia Indique. A infra-estrutura está a servir aos residentes do bairro de Quissanga-Praia, que retornaram recentemente depois de terem abandonado esta parcela de Cabo Delgado devido à intensificação dos ataques terroristas.

A vice-ministra das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos disse que uma das preocupações do Chefe do Estado, Filipe Nyusi, nas sessões do Conselho de Ministros, era o estado do Sistema de Abastecimento de Água de Quissanga, tendo também anunciado que nos próximos dias vai arrancar a reabilitação total e ampliação da infra-estrutura, que deverá incluir a sede do Posto Administrativo de Bilibiza. “Esperamos que as obras iniciem brevemente”, afirmou.

Por seu turno, Valigy Tauabo, Governador de Cabo Delgado, disse que nos primeiros dias do retorno da população a Quissanga, a falta de água era o assunto mais referenciado pela população e insistia que a preocupação devia merecer prioridade. “Isto é prova de que fiz chegar ao Governo central os recados que me deram. O nosso Governo ficou sensibilizado com a falta de água, por isso investiu dinheiro para reabilitar o sistema”, disse Tauabo.